Por que você odeia a reciclagem?

Você é daquelas pessoas que odeiam reciclar? Ou que consideram ineficiente a tarefa de reciclar? Você não é o único. Muitas pessoas questionam o porquê de se fazer a sua parte, se as empresas não estão realmente se preocupando com a situação do planeta antes de seus lucros.

Você já presenciou uma fábrica de automóveis incitando as pessoas a comprar carros menores e mais econômicos? Ou uma indústria preocupada com a construção de cidades mais compactas e melhor transporte público para que as pessoas não dependam tanto do carro?

Ou companhias de petróleo dispostas a renunciar a combustíveis fósseis e apoiar iniciativas para uma economia baseada em energia solar e outras fontes limpas e renováveis ​​de energia? Ou ainda os governos promovendo ações para corrigir o desequilíbrio de riqueza entre as nações ricas e pobres, e trabalhando sério para conter o crescimento populacional?

É, temos de concordar com tais questionamentos. Apenas a reciclagem de nossos produtos de consumo e as compras responsáveis ​​como indivíduos não são suficientes para reduzir os danos ambientais. São necessários novos arranjos econômicos e políticos sustentáveis a fim de que a sociedade satisfaça suas necessidades em harmonia com os limites ecológicos. Sabemos que, em geral, as questões ambientais, tais como a preocupação com os efeitos do aquecimento global, ficam em segundo plano, diante das necessidades humanas de alimento, vestimentas e bens de consumo.

No entanto, mesmo com tais disparidades entre produção e consumo, consideramos importante a preocupação com a preservação de nossos recursos naturais. Não deixar de fazer nossa parte e separar os materiais que podem ser reciclados ou reaproveitados – por nós ou por outras pessoas – é uma atitude consciente e responsável, mesmo que os grandes poluidores não cumpram seu papel eficientemente .

Continuamos acreditando que o simples ato de ter o próprio depósito para separar os materiais e encaminhá-los a quem possa reciclá-los é importante para tornar a reciclagem viável e contribuir para preservar nossos recursos. Assim, em vez de jogar fora nossos resíduos, por que não permitir que sejam reaproveitados? Ações como estas, relacionadas abaixo, são realmente desnecessárias?

Manter uma cesta ou caixa acessível para colocar vidros e plásticos. Leva apenas alguns segundos para jogar uma garrafa vazia, um pote de plástico ou de vidro. Basta deixar a cesta ou caixa em um armário, num canto da área de serviço, ou na garagem.

Utilizar sacos de papel ou caixas de supermercado para colocar papel usado. Após reutilizar os dois lados do papel para anotações e listas de compras, basta jogá-los nestes locais. Isto inclui os envelopes de lixo eletrônico, os boletos e extratos bancários e a correspondência comercial.

Reutilizar sacos de plástico. Os sacos limpos de embalagens de suas compras servem para guardar objetos, congelar alimentos, por exemplo. Muitos supermercados oferecer um incentivo para os clientes que trazem suas próprias sacolas. Manter alguns sacos plásticos, dentro de sua sacola retornável, no carro, para fácil acesso, é necessário e importante.

Separar uma gaveta ou prateleira para doações de roupas e objetos. Não jogar fora roupas ou utensílios domésticos que estão em boas condições, mas manter um local destinado para juntar ali, as peças que não aproveitamos mais. Doá-las a instituições de caridade é uma opção sustentável e solidária. Muitas instituições vão até a residência retirar estes artigos.

Reutilizar os recipientes de plástico para as sobras. Potes plásticos ou de vidro, de margarina, maionese e afins servem para acondicionar sobras de alimentos na geladeira ou no freezer. Os que não forem reutilizados podem ir para a caixa dos plásticos e vidros.

Reutilizar roupas velhas que não servem para doação. As roupas de malha e de algodão, como toalhas e camisetas são perfeitas para substituir toalhas de papel ou panos de limpeza para casa ou polimento do carro. Basta cortá-los em retângulos no tamanho desejado e guardá-los no armário ou na mala do carro.

Estes são pequenos exemplos de como eu faço para diminuir a quantidade de resíduos em meu dia a dia, que, de outra forma, iriam para um aterro ou lixão. Não é compreensível gerar tanto lixo, quando se é possível reduzi-lo, com o argumento de que os principais responsáveis pela destruição ambiental não fazem a parte deles.

Fonte: www.ecoblogs.com.br/ecoblog