Estado do Mundo 2011 - “Inovações que Nutrem o Planeta”

A onda de calor que varreu o oeste da Rússia, no verão de 2010, fez com que as temperaturas de Moscou chegassem a 40ºC. A condição sufocante do clima gerou uma série de incêndios florestais e devastou as lavouras de trigo do país. Como as autoridades russas ordenaram a suspensão da exportação do trigo, o valor mundial do alimento chegou a subir 30%, e também causou efeitos nos mercados de soja e milho. Essa experiência avassaladora com a produção do trigo serviu de lembrete de como o sistema mundial de alimentos está sujeito às variações do clima.

Questões como essa, que envolvem clima e agricultura, estão presentes no relatório “Estado do Mundo 2011 - Inovações que Nutrem o Planeta” (em inglês), divulgado no início do ano pelo Worldwatch Institute (WWI). A publicação agora foi traduzida para o português, pelo Instituto Akatu.

A publicação destaca 15 projetos sustentáveis de especialistas em agricultura e inovações, em um guia de como ter aumento de investimentos no setor agrícola e formas eficientes de minimizar a fome. “O progresso demonstrado neste relatório irá prover informações aos governos, formuladores de políticas, ONGs e doadores que tentam frear o avanço da fome e da pobreza, fornecendo um guia claro para expansão ou replicação destes sucessos em qualquer lugar”, afirmou o presidente do Instituto Worldwatch, Christopher Flavin.

Um projeto em destaque é o cultivo de alimentos por crianças em idade escolar, uma estratégia eficaz de redução da fome e da pobreza em nações africanas. Além disso, tal modelo possibilita a redução do desperdício e a oportunidade de famílias economizarem dinheiro.

Outro exemplo dado é na área de inovação tecnológica: pastores da África do Sul e do Quênia preservam variedades de gado adaptadas ao calor e seca das condições locais. Essas características são cruciais conforme os extremos climáticos pioram no continente, já que a África tem a maior área mundial permanente de pastagem e o maior número de pastores, com cerca de 15 a 25 milhões de pessoas dependentes do gado.

Em termos gerais, a publicação mostra que as questões agrícolas mundiais vão muito além do problema imediato da fome e precisam de especial atenção. O documento foi produzido pelo projeto do WWI, “Nutrindo o Planeta”, que teve acesso sem precedentes às maiores instituições agrícolas de pesquisa internacionais, assim como agricultores locais e sindicatos agrícolas.

Fonte: http://www.ecodesenvolvimento.org.br